Em algum lugar nas estrelas

PhotoGrid_1471645018908O livro, lançado em 2013, por Clare Vanderpool foi escrito a partir do sonho que a mãe da autora lhe contou sobre um pianista muito habilidoso. A partir daí, foi criado Early, um garoto que hoje seria considerado autista, mas que em 1945, época em que se passa a história, dificilmente seria diagnosticado. A história é contada por Jack, um garoto do Kansas enviado pelo pai ao Maine para estudar após a morte da mãe. Lá ele precisa se adaptar aos novos colegas e ao ambiente litorâneo. Então ele conhece Early um garoto órfão que mora na Escola. Early chama a sua atenção, pois se recusa a participar de aulas das quais discorde do professor, tem uma playlist diária e ,para ele, o número Pi não é uma sequência de números, mas uma história. E que linda história a de Pi. Tanto a narrativa quanto o conto fizeram me lembrar o Pequeno Príncipe.

Intercalado aos capítulos de Jack, estão dispostos os de Pi. Em contraponto a uma teoria de que Pi é um número finito, Early quer provar que ele não acaba. Está apenas perdido. Enquanto escreve números na lousa,  Early conta a narrativa a Jack: Pi é um aventureiro que abandona o lar para conhecer o mundo navegando em seu barco. No percurso ele aprende a sobreviver, crescer e busca conquistar seu nome, que na verdade é Polaris. De certa forma lembra o momento de Jack na nova Escola.

Jack se surpreende ao descobrir que Early é irmão mais novo de Fish, herói da Escola que morreu na Guerra, apesar de Early não acreditar na morte do irmão. Outra surpresa é a ligação entre a história de Pi e Fish. Os meninos aproveitam um período de férias na Escola e vão em busca de Pi, os garotos passam por muito coisa e Early sempre encontra um modo de ligar suas aventuras as vividas por Pi.  E realmente, quase tudo o que é acontece pode ser facilmente relacionado com a história inventada por Early. Eles encontram piratas, um vulcão, uma velha e procuram um enorme urso da região, que para Pi, era a constelação da Ursa Maior.

Eles se vêem em maus bocados e Early com seu jeito aparentemente ingênuo sempre consegue sair das situações com inteligência. Jack sempre se sentia preocupado pelo menino, porém ele aprendeu a ver que o amigo não era o coitado, que os colegas consideravam, um menino excêntrico, claro, mas também inteligente e capaz.

IMG_20160819_192012

Esse disco vem com o livro e representa a playlist de Early

As partes de que mais gostei foram: 1. o encontro de Jack com a velha que pensava ser ele o filho dela sumido há mais de 50 anos. Ela já estava com 100 anos e só esperava o retorno do filho para morrer.  A conversa que tiveram ajuda Jack a superar a morte da mãe. 2. O final, quando Early mostra a todos que Pi não acaba, ele estava realmente perdido! “Ele estava triste e com um grande buraco no coração” – diz Early. A história é leve e cheia de novidades durante todo o livro. Surgem vários personagens e, no final, todos as peças se encaixam. Jack descobre que todos estão interligadas. Essa é a sua constelação.

Preciso fazer um comentário sobre a Darksidebooks, que vem investindo muito na apresentação de suas obras. Em algum lugar nas estrelas, tem capa dura, desenhos internos, fita marcadora e vem um disco de papel representando os artistas que Early ouve no livro. Além disso, para quem tiver interesse tem uma playlist no site da editora, para ouvir os artistas enquanto lê, via Spotify.

 

xoxo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s